Por que perder a barriga não é tão fácil?

Por


Postado em 23 de November de 2016


barrigaOlá pessoal, tudo bem?

Neste mês tenho observado o grande número de pessoas que questionam sempre sobre o mesmo tema: perder barriga.

Quando pensamos em emagrecer, sei o quanto ficamos ansiosos com os resultados, principalmente com relação ao espelho (e como vemos nossa barriga nele). Quando começamos a desenvolver os tão falados hábitos saudáveis, percebemos que a barriga é a última parte a se alinhar com os nossos desejos de parecer em forma. Afinal, queremos uma barriga sem gordura aparente e, se possível, com musculatura marcante. Nós mulheres e muitos homens ficamos bastante desapontados quando vemos a longa jornada que temos pela frente.

A perda de gordura da barriga é altamente dependente das características individuais de uma pessoa:

1) Genética – Os corpos são construídos de forma diferente e algumas pessoas estão predispostas a desenvolver mais ou menos gordura em diferentes áreas.
2) Gênero
a) As mulheres são mais eficientes no armazenamento de energia em forma de gordura do que os homens. Elas tendem a acumular mais nas seguintes regiões:  abaixo do umbigo, em torno dos glúteos e coxas e acima da barriga e braços.

b) Os homens tendem a acumular gordura corporal, inicialmente, ao redor da barriga e peito antes de permear as diversas partes do corpo.
3) Hormônios – Há evidências de que os hormônios desempenham um papel no armazenamento de gordura corporal.
I) Cortisol – níveis excessivos e crônicos de cortisol estimulados pelo stress, ansiedade e alguns problemas psicológicos podem levar ao acúmulo de gordura e redistribuição para a região abdominal.

II) Insulina – um dos papéis vitais da insulina no corpo refere-se ao armazenamento de gordura: inibe a degradação das células de gordura e estimula a criação de gordura corporal. Altos níveis de insulina podem levar ao acumulo de gordura visceral.
III) Testosterona – Nos homens, baixos níveis de testosterona geram um maior acúmulo de gordura.

IV) Estrogênio – Altos níveis de estrogênio levam ao aumento do armazenamento de gordura. O fluxo sanguíneo parece estar relacionado com a lipólise do tecido adiposo também. Um estudo mostrou que o aumento do fluxo sanguíneo para determinadas partes do corpo pode aumentar a lipólise nessa região. Esta é uma razão pela qual é mais fácil liberar ácidos graxos de nossas pernas e braços.
Enfim, sabemos porque adquirimos barriga e, as vezes, parece que ela cresce da noite para o dia! Mas por que as coisas não acontecem assim quando queremos eliminar a incômoda saliência?

O fato é que nosso organismo reage de forma progressiva a estímulos. Não há reações abruptas, a não ser as negativas, próprias de defesa do nosso corpo. Por exemplo, na corrida, começamos a correr a 9km/h e depois de um tempo, alcançamos 10km/h ou mais  Na academia, aumentamos os pesos regularmente, pois parece que eles perdem o efeito com o tempo. Do mesmo modo acontece com a alimentação. A perda de gordura é um processo lento e gradual. Cortar calorias muito drasticamente (situação considerada estresse para o corpo), logo fará com que o organismo acumule gordura, para que as atividades metabólicas sejam poupadas. Ou seja, nestes casos, ocorre maior perda de água do que de gordura propriamente dita. Déficits graduais de calorias ao longo do tempo são mais eficientes e são uma excelente maneira de manter a perda de gordura constante em todos os momentos.

Então não existe transformação do corpo da noite para o dia e algumas delas levam mais tempo do que o esperado. Esse é o caso da gordura localizada. Nosso organismo exige mais tempo para apresentar os resultados dos exercícios e dietas.

A dica de hoje é : em vez de ficar procurando justificativas, é melhor dar o tempo necessário, pois é certo que a mudança vai acontecer. Portanto, menos ansiedade e mais foco no que realmente importa.

Concentre-se. Moovup-se.